Não tem nada a ver com ser perfeito

Não tem nada a ver com ser perfeito

Trecho do livro "Resgate emocional" (de Dzogchen Ponlop Rinpoche):

Pense em alguém que você conheça que o inspira devido a qualidades pessoais de graça, bondade ou inteligência, bem como por suas ações em serviço de outros. Ajuda muito ter exemplos pessoais e mentores desse tipo. O exemplo deles pode nos ajudar a seguir em frente e superar nossas próprias dúvidas, medos e obstáculos. Eles nos inspiram a acreditar em nós mesmos e em nosso potencial.

Um relacionamento desse tipo, mesmo que seja uma admiração distante mas de coração por um artista ou professor favorito, pode nos encorajar a descobrir dentro de nós as reservas de coragem e determinação que nem sabíamos ter. Aprendemos a apreciar o que significa tomar responsabilidade pelos próprios desconfortos e desafios. Aprendemos a cuidar de nós mesmos. Ao fazermos amizade com a própria vida e gradualmente abrirmo-nos para as emoções, começamos a nos soltar do impulso de colocar culpa. Sentimo-nos mais confortáveis em nossa própria pele e mais dispostos a compartilhar nossa experiência com outros. A bondade se torna parte da existência cotidiana e a compaixão se desenvolve naturalmente. Na medida em que ficamos mais corajosos, nosso exemplo encoraja outras pessoas a serem elas também mais ousadas.

Reflita a respeito: 
» Você tem alguém como um exemplo?
» Que qualidades você mais admira nessa(s) pessoa(s)?
» De que forma essas qualidades exemplificam bondade ou coragem?
» Como esse exemplo influenciou ou guiou as suas boas ações?
» Você é um exemplo pessoal para alguém?

0 comentários

Deixe um comentário

Os comentários devem ser aprovados antes de serem publicados

Anterior

·

Qual é o seu plano de fuga?

Próximo

·

O coração altruísta (Buda rebelde)