Presos no mundo conceitual (trecho do livro "Buda rebelde")

Presos no mundo conceitual Se nos distraímos, o mundo conceitual nos toma por inteiro. É uma situação bem triste. Não podemos nem mesmo curtir um dia ensolarado, com as folhas sacudindo ao vento. Temos que rotular e, assim, passamos a viver com conceitos de sol, de vento, de folhas que se movem. Se apenas conseguíssemos deixá-los onde estão, não seria tão ruim, mas isso nunca acontece. A partir deles começa: “Ah, que legal, é tão bom estar aqui. É tão bonito, mas seria ainda melhor se o Sol estivesse brilhando daquele ângulo.” Quando caminhamos assim, não somos nós caminhando; é...

Saiba mais →

Se você indaga o que acontece quando um ente querido morre (Guia do coração partido)

Abiaxo, um trecho do livro "Guia do coração partido", de Lodro Rinzler Serei o primeiro a admitir que não sei nada sobre o que acontece depois da morte. A morte eu conheço bem. Uma porcentagem significativa de seres que amei já morreu. Estou escrevendo esta seção específica do livro um dia depois da minha amada cachorra ter morrido. Estou aqui sentado, processando, e a pergunta que surge, uma que não sei responder, é: o que acontece com ela agora? Não sei. Eu deveria seguir a linha do partido budista e dizer que ela vai renascer em um dos seis reinos...

Saiba mais →

Atenção plena ao corpo e o deslumbramento (Trecho do livro "Coração aberto, mente aberta")

Forma Atenção plena ao corpo, às vezes, é traduzida como Atenção Plena à Forma, uma prática que estende a atenção a todos os tipos de forma: a mobília e outros elementos que encontramos em uma sala, na rua, num restaurante, num trem etc. É essencialmente uma prática de nos aterrarmos na realidade relativa em que operamos. Normalmente, nosso hábito de percepção visual é um pouco impreciso. Na realidade, não vemos a mesa da cozinha muito claramente, não vemos nossas mãos muito distintamente. Tornam-se objetos generalizados. Assim, além de ajudar a nos aterrar, a Atenção Plena ao Corpo – ou, em...

1 comentário Saiba mais →

O papel da tristeza (Trecho do livro "Tristeza, amor, abertura")

ESTUDO O grande mestre indiano Nagarjuna disse que os ensinamentos budistas são sempre baseados em dois tipos de verdade: a verdade relativa e a verdade última. Se ninguém nos dissesse que existem dois tipos de verdade, provavelmente nunca pensaríamos que a vida poderia ser mais do que aparenta ser. Isso mostra o quanto é importante estudar as palavras do Buda e refletir sobre o seu significado. Mas não basta estudar e refletir – precisamos alcançar uma experiência direta e pessoal. EXPERIÊNCIA É com a experiência que a meditação se torna importante, pois somente através da experiência direta é que a...

Saiba mais →

Reflita sobre a bondade de todos aqueles que o rodeiam (trecho de "Budismo com atitude")

Reflita sobre a bondade de todos aqueles que o rodeiam O que este aforismo nos encoraja a fazer é concentrarmo-nos na bondade dos outros, mas de uma forma que não negue o mal do mundo e nem o fato de que muitas pessoas agem de maneira cruel. Lembre-se de que, no contexto budista, um “inimigo” é alguém que deseja prejudicar você, independentemente do que você sente em relação a essa pessoa. Nessa prática, quando refletimos sobre a bondade dos outros, a “bondade” não significa intenções gentis. Em vez disso, refere-se ao benefício, independentemente das intenções. Se alguém lhe traz benefícios, dizemos,...

Saiba mais →

O carma e o cultivo mental (trecho do livro Carma)

Um trecho do livro Carma: o que é, o que não é, e sua importância, de Traleg Kyabgon [...] o raciocínio fundamental por detrás do carma é que ele opera de acordo com o relacionamento de um ser vivo com os outros. É assim que o carma funciona. É o efeito sobre nós e os outros que determina se uma ação é positiva ou negativa, e não a ação em si. Mais uma vez, precisamos ter cuidado com esse ponto. Não devemos pensar que podemos fazer o que quisermos porque parece positivo. A teoria cármica gira em torno da preocupação...

Saiba mais →