Quem é você? (Trecho do livro "Apaixonado pelo mundo")

Quem é você? (Trecho do livro "Apaixonado pelo mundo")

Você é o Mingyur Rinpoche? Meu pai me fez essa pergunta logo depois que comecei a estudar com ele, aos nove anos de idade. Era tão gratificante saber a resposta certa que  orgulhosamente declarei: Sim, eu sou. A seguir, ele perguntou: você pode me mostrar uma coisa em especial que faz de você Mingyur Rinpoche? Olhei para a parte frontal do meu corpo até meus pés. Olhei para minhas mãos. Pensei no meu nome. Pensei em quem eu era em relação aos meus pais e a meus irmãos mais velhos. Não consegui chegar a uma resposta. Meu pai, então, fez...

Saiba mais →

Aprendendo a meditar (Trecho do livro "Transformando confusão em clareza")

Aprendendo a meditar Como a consciência plena está sempre presente, pode parecer que nunca deveríamos deixar de reconhecê-la. Porém, mesmo que tenhamos a intenção e a motivação, nossos esforços podem sair dos trilhos e nos deixar frustrados: “Parece tão simples, por que não conseguimos meditar?” Devido a toda nossa compreensão intelectual, não conseguimos entender como ela é tão simples e continuamos a ter visões equivocadas. Todas essas visões têm em comum um mal-entendido: a crença de que há algo de errado com o momento presente. Talvez nosso local de meditação não seja suficientemente quieto, talvez seja muito quente ou muito...

Saiba mais →

Matando borboletas (Trecho do livro "Alegre sabedoria")

Matando borboletas Os seres em primeiro lugar pensam “eu” e se apegam a ele; Eles pensam “meu” e se apegam às coisas. Chandrakirti, Introduction to the Middle Way, traduzido para o inglês por Padmakara Translation Group Séculos antes do desenvolvimento da ciência ocidental, o Buda chegou ao entendimento de que o sofrimento origina-se na mente – no “olho”, por assim dizer, “de quem vê”. Embora os termos que ele usou possam diferir daqueles dos biólogos, neurocientistas e psicólogos modernos, os insights que ofereceu são notavelmente semelhantes. De acordo com as primeiras apresentações escritas dos ensinamentos do Buda sobre a Segunda...

Saiba mais →

O problema da raiva justificada (Trecho do livro "As quatro incomensuráveis")

O PROBLEMA DA RAIVA JUSTIFICADA Embora tenha total confiança de que o que acabei de dizer é verdadeiro, sei que não é só isso. Quando vemos algo muito errado no mundo, a agressão e o ódio podem ser a nossa tentativa malconcebida de responder. Vemos algo terrível acontecendo e surge uma paixão mas, quando nossos horizontes se estreitam, não enxergamos as muitas opções que existem. A cobertura da mídia nos mostra miríades de coisas que não são como deveriam ser, e a nossa natureza búdica nos chama genuinamente com paixão e diz: algo precisa ser feito. Mas, à medida que...

Saiba mais →

Se você achar que não tem tempo para ler este livro (Guia do coração partido, de Lodro Rinzler)

Leia o trecho: Entendo. Você está ocupado acalentando um coração partido e é difícil focar em uma página por tempo o suficiente para ler um capítulo, que dirá um livro inteiro. Todavia, este livro foi escrito com isto em mente – todos os capítulos são curtos, e, embora haja conselhos aqui, também há histórias, práticas e exercícios que você pode fazer, então não será uma leitura arrastada. Dito isto, vou esclarecer o que este livro tem a declarar caso você não tenha tempo de ler tudo: Você vai se curar de alguma forma. Sério. Mas a cura vai ser diferente...

Saiba mais →
Por que é tão difícil pararmos de nos maltratar? (do livro "Autocompaixão")

Por que é tão difícil pararmos de nos maltratar? (do livro "Autocompaixão")

Por que é tão difícil pararmos de nos maltratar? Trecho do livro "Autocompaixão", de Kristin Neff Talvez a nossa tendência para a autocrítica seja mais desconcertante do que o desejo de nos enxergar positivamente. Mas ambos são igualmente fortes. Como o escritor britânico Anthony Powell observou, “o amor-próprio muitas vezes parece não ser correspondido”. Quando não conseguimos reinterpretar a realidade, a fim de nos sentirmos melhores que os outros, quando somos forçados a, finalmente, enfrentar o fato de que nossa autoimagem é mais desonrosa do que gostaríamos que fosse, o que acontece? Com frequência, emergem das sombras a Malévola ou...

Saiba mais →