Responda de uma única forma a todas as crises de desânimo

Responda de uma única forma a todas as crises de desânimo

Depois de praticar por algum tempo, você pode sentir que não está fazendo muito progresso e se perguntar se o problema é com a prática ou com você mesmo. O desânimo pode resultar da falta de confiança na prática. Você pode achar que sua mente ficou muito pesada depois de praticar tonglen ou você pode se sentir infeliz. Pode também simplesmente se sentir deprimido por estar exposto a um mundo tão cheio de delusão, agressão, egoísmo, conflito e miséria.
1 comentário Saiba mais →
Elementos sutis - post no blog da Lúcida Letra

Elementos sutis

O corpo sutil muito raramente é discutido nos ensinamentos públicos. Entende-se que seja um dos ensinamentos mais elevados ou superiores do budismo tibetano. Entretanto, acredito que o entendimento do corpo sutil e sua influência em nossos pensamentos, ações e, em particular, nossas emoções seja essencial para o entendimento das camadas que obscurecem nossa capacidade de nos relacionarmos cordial e abertamente conosco mesmos, com os outros e com as condições que cercam nossa vida. Além do mais, sem entendimento do corpo sutil, a maioria das práticas de meditação se torna um simples exercício de extensão da nossa zona de conforto, uma série de técnicas que resultam na preservação do senso sólido de “eu”.
Saiba mais →
As emoções são como faíscas

As emoções são como faíscas

Já vimos que nossas emoções são mais fluidas do que pensávamos. A diferença é que agora, quando há o OLHAR de forma desnuda da experiência das emoções, vemos ainda mais. Neste ponto é possível ver as emoções como momentâneas e cheias de espaço – são como flashes de luz ou bolhas de gás na bebida. Há uma faísca de raiva e então outra faísca.
Saiba mais →
A mente inquieta

A mente inquieta

Algumas vezes, ou, talvez, até a maior parte do tempo, nossas mentes se sentem um pouco como fliperamas, sempre ricocheteando para todos os lados. Ah, se ao menos nos sentíssemos assentados em nossas próprias mentes e felizes com o lugar onde estamos e a direção que tomamos. Ah, se ao menos nossas mentes parassem de supercomplicar, superanalisar, pensar demais.
Saiba mais →
Autoabraço, imagem para post do livro Autocompaixão

Trecho de Autocompaixão: Um dom precioso

Um dom precioso A autocompaixão é um dom disponível a qualquer pessoa disposta a se abrir para si mesma. Quando desenvolvemos o hábito de autobondade, o sofrimento se torna uma oportunidade de experimentar o amor e a ternura internos. Não importa como as coisas ficam difíceis, podemos sempre envolver nosso ego rasgado e esfarrapado em nosso próprio abraço macio. Podemos acalmar e confortar a nossa própria dor, assim como uma criança se acalma e é confortada nos braços da mãe. Não temos que esperar até sermos perfeitos, até que a vida seja exatamente como queremos. Não precisamos dos outros para...

Saiba mais →
O maior desafio é lembrar

O maior desafio é lembrar

Trecho do livro "Reflexos em um lago na montanha": Trazer o máximo possível a presença para as nossas tarefas ajudará a transformar nosso dia em um nível muito profundo. É fácil. O principal problema é que a mente está tão aprofundada em sua inércia, tão aprofundada no desejo de permanecer adormecida que esquecemos continuamente de ficar atentos. Na verdade, o significado da palavra atenção plena em sânscrito e tibetano é “lembrar”. É parecido com a ideia cristã de rememoração e o conceito de lembrança de si de Gurdjieff. Trata-se de lembrar de onde estamos, quem somos e do que está...

Saiba mais →